O processo de secagem de vasinhos se chama escleroterapia. Durante o tratamento uma substância é injetada dentro do vaso por uma agulha, levando ao fechamento e desaparecimento deles. Diferentes líquidos são utilizados nesta aplicação. Entre eles a glicose e polidocanol. O líquido mais utilizado é a glicose por sua segurança e eficácia. A glicose é aplicada congelada, próximo de 30 graus negativos. Nessa temperatura sua viscosidade é maior, a dor diminui e a eficácia aumenta. A escleroterapia pode ser realizada com injeções e laser. Este procedimento com laser elimina os vasinhos pela ação física da luz e calor nas teleangiectasias. Cada técnica tem sua indicação e o cirurgião vascular é o especialista recomendado para escolher o melhor tratamento.

As telangiectasias são dilatações de vasos capilares, artérias ou veias, que são que 2 mm de calibre. Normalmente apresenta na pele um formato emaranhado, que é denominado como aracneiforme, “aranhas vasculares” ou retiformes “em forma de rede”. O tratamento a laser é o mais indicado para este caso. Já as microvarizes, geralmente, tem a indicação da Escleroterapia.

Diagnóstico

O especialista realizará uma avaliação vascular para verificar qual é o tipo de problema e determinar o procedimento adequado. Podendo optar pela secagem de vasinhos ou indicar um procedimento cirúrgico. A partir da definição do tratamento o médico orientará quantas sessões serão necessárias, com intervalos quinzenais para clarear uma perna bem desenhada por vasos. No entanto, é importante alertar que novos vasos poderão aparecer e os resultados obtidos devem ser mantidos sempre por meio de manutenção com sessões semestrais.

Cuidados pós-tratamento:

Usar meia elástica de média compressão, logo após o tratamento;
Evitar banhos de imersão e ginástica no período de 24 horas após a aplicação;
Praticar caminhada regularmente e evitar ficar em pé parado ou sentado com as pernas para baixo.